Os Diversos Tipos de Autismo – Completo

 

A prática psicanalítica com o autismo, não está inerte à espera da descoberta científica etiológica, nem da descoberta milagrosa de medicamento, até porque nenhum medicamento sozinho ensinará uma criança a se inserir na linguagem e a construir laços sociais. A psicanálise aposta na existência de um sujeito, aposta em uma ética, para além do bem comum, numa ética do desejo, ao fazer emergir sujeitos dotados de singularidades ofuscadas pelo discurso universal.

O que está em jogo é uma ideologia acerca do que se espera de uma criança, na dimensão dos ideais que o mercado de consumo, isto é, os laboratórios, associados a terapêuticas cognitivas comportamentais, que se apoiam em um mapeamento cerebral, onde a preocupação é o mau funcionamento do órgão e não na posição que o sujeito tem na vida. O sofrimento é reduzido a alterações químicas e estruturais.
É a partir da ética da psicanálise que pudemos ver na estranheza do comportamento das crianças autistas um trabalho, uma tentativa de dar alívio e direção à um gozo não localizável que se impõe sob as formas de estereotipias, automutilações, entre outros, e nos surpreender com as construções e invenções singulares de que essas crianças são capazes para dar conta deste excesso que as invade.

Fonte: https://psicologado.com/abordagens/psicanalise/a-clinica-psicanalitica-com-os-autistas-uma-possivel-direcao-do-tratamento © Psicologado.com